Duas aves de plumagem amarronzada com pintas brancas e pretas e um pequeno topete caminham em meio a vegetação rasteira
Uru-do-nordeste (Odontophorus capueira) | Foto: Ciro Albano

Por Alice Sales
Colaboradora

Fortaleza – CE. O Uru-do-nordeste (Odontophorus capueira plumbeicollis) é uma subespécie de ave que habita raros territórios do Nordeste e que encontra-se classificada como Criticamente em Perigo de Extinção. A ave ocorre no Ceará, onde foi descrita por cientistas pela primeira vez e tem como principais ameaças a perda de habitat, resultante do avanço da urbanização em áreas sensíveis e a caça predatória para consumo humano, além da introdução de predadores e doenças. A área de ocorrência da espécie, antes era de  Alagoas ao Ceará. Atualmente só há registros na Serra de Baturité (CE) e em fragmentos florestais na divisa entre Pernambuco e Alagoas.

Considera este conteúdo relevante? Apoie a Eco Nordeste e fortaleça o jornalismo de soluções independente e colaborativo!

De nome onomatopaico, ou seja, que imita a vocalização que ele emite ( “urú-urú-urú…”), a ave costuma cantar em duetos, pela manhã e no fim do dia. Costuma fazer ninho no solo, com folhas secas, em formato de iglu, como uma toca, e por esse motivo fica ainda mais vulnerável à predação. “Suspeitamos que exista um desequilíbrio na quantidade de predadores nas principais áreas do uru-do-nordeste, como raposas e tejus, com populações possivelmente aumentadas por falta de predadores de topo. Não obstante, outros predadores introduzidos pelo homem podem ter agravado essa situação, como gatos domésticos, cachorros e até jabutis, frequentemente registrados nas áreas”, destaca Fábio Nunes, pesquisador da ONG Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos (Aquasis)

Estimativas apontam que o uru-do-nordeste pode desaparecer definitivamente da natureza em torno de 10 anos. Diante da frágil situação, um grupo de pesquisadores vem há alguns anos empenhando esforços para a conservação da espécie. Neste mês de abril, mais um passo para salvar a ave do desaparecimento foi dado, fruto do compromisso que a ONG Aquasis assumiu de executar ações previstas desde 2008 para a conservação do uru-do-nordeste, assim como fundar uma população de segurança em cativeiro a partir da captura de matrizes na natureza. 

A iniciativa contou com pesquisadores de diferentes projetos de conservação de aves e enfrentou diversos desafios, como o de conseguir exemplares suficientes para um possível processo de reprodução em cativeiro. Os primeiros esforços se deram na tentativa de encontrar ninhos naturais, para obtenção de ovos, que foram frustradas por causa da predação por espécies nativas e invasoras. Com muita insistência por parte da equipe, armadilhas foram instaladas nas matas da Serra do Baturité e seis exemplares foram capturados. 

O mais recente passo da empreitada foi destinar esses espécimes para um lugar seguro e preparado para manter essa população de segurança. A comitiva formada pelo biólogo Fábio Nunes (Projeto Cara-Suja), pelo zootecnista Mateusz Styczynski (Projeto Cara-Suja), pelo biólogo Weber Silva (Projeto Oásis Araripe) e pelo jornalista Mika Holanda (Aquasis), desembarcou no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, onde os seis exemplares foram recebidos por membros da equipe técnica do Parque das Aves, instituição que abraçou essa missão a pedido do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Seis pessoas posam para foto em frente a pequeno avião da azul. Os dois primeiros usam fardas de pilotos; os três seguintes seguram caixas quadradas; o último usa um crachá. Todos usam máscaras. Acima céu azul.
Equipe que voou do Ceará para o Paraná levando exemplares de urus-do-nordeste para reprodução com fins de conservação, em cativeiro, no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu| Foto: Mika Holanda

De acordo com Fábio Nunes, o Parque das Aves e outros criatórios especializados desempenham um papel importante na estratégia de conservação de espécies. São responsáveis por manter e reproduzir populações-alvo em segurança contra ameaças e pressões, como doenças, caças, desequilíbrios ambientais e até ameaças ainda desconhecidas pelos cientistas. “Algumas espécies extintas na natureza tiveram uma segunda chance graças ao trabalho de reintrodução de exemplares mantidos em cativeiro, como foi o caso do condor-da-califórnia (Gymnogyps californianus), por exemplo.” 

A companhia aérea Azul disponibilizou um avião executivo para realizar esse voo exclusivo do Ceará ao Paraná, que teve também apoio de proprietários de terra da Serra de Baturité e da Enel, que arcaram com os custos do combustível dessa aeronave. A iniciativa traz a esperança de que, nos próximos anos, esses indivíduos possam fundar a população da subespécie a partir do processo de reprodução assistida em cativeiro, como determinam as estratégias acordadas junto às autoridades ambientais. 

Desafios para salvar 

O uru-do-nordeste é uma ave considerada críptica, ou seja, vive escondida nas florestas preservadas, e se não fosse seu poderoso canto, passaria praticamente despercebida. Por essa razão é desconhecida pela maior parte das pessoas, e portanto, há pouca informação disponível sobre sua biologia. “Isso é péssimo pois, no geral, só conservamos o que conhecemos. Além disso, questões taxonômicas têm impedido que a ave conste na lista internacional de espécies ameaçadas, o que a torna invisível à comunidade conservacionista global”, avalia Nunes. 

Além disso, outro desafio é a validação desta ave como espécie, uma vez que dados já levantados apontam essa condição: o uru-do-nordeste é uma espécie única e diferente do uru que ocorre no sudeste e sul do Brasil. Para o pesquisador, o mais importante agora é tentar frear as ameaças à população de uru-do-nordeste ainda existente, que, além de toda a problemática citada, sofre com licenças ambientais para empreendimentos imobiliários insustentáveis na APA da Serra de Baturité.

Homem de camisa azul com o nome "Parque das Aves" impresso em letras brancas segura com luvas de latex brancas um filhote do uru-do-nordeste
No Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, os urus-do-nordeste poderão crescer e se reproduzir para promover a repovoação no local de origem | Mika Holanda

População da espécie

Surgido da necessidade de obter dados mais precisos sobre o estado populacional em que a ave se encontra, o Projeto Uru-do-Nordeste partiu da  pesquisa realizada pelo biólogo Bruno Araújo, durante o doutorado na Universidade Federal do Ceará (UFC), direcionada à população da Serra de Baturité, uma das últimas áreas de ocorrência do uru-do-nordeste.

Atualmente está sendo realizado o monitoramento populacional. Para tanto, são instalados gravadores de áudio em vários pontos ao longo dos fragmentos florestais na Serra de Baturité. “Esses equipamentos são utilizados para registrar indivíduos da espécie por meio de buscas na mata. É muito difícil, tanto por serem aves muito assustadas, quanto pelo baixo número de indivíduos. Entretanto os urus emitem um canto característico e bem alto, que pode ser captado facilmente pelos gravadores”, ressalta Bruno. 

Quanto aos resultados preliminares, o pesquisador destaca que não são positivos. Os registros nas áreas monitoradas estão bem escassos e concentrados em pontos específicos, demonstrando que a população na Serra de Baturité é extremamente pequena.

Ações para a Conservação

Em 2008, o “Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Galliformes Ameaçados de Extinção (aracuãs, jacus, jacutingas, mutuns e urus)” apontou como prioridade a conservação da espécie, além da proteção de seu habitat e um programa de cativeiro. Em 2017, o “Plano de Ação Nacional para a Conservação Aves da Caatinga” também passou a recomendar uma população de cativeiro como ação prioritária para conservação desta ave. Mais tarde, já em 2020 foi publicado o “Relatório de Avaliação Ex Situ Para Planejamento Integrado de Conservação para Galliformes e Tinamiformes no Brasil” que também apontava a necessidade de criar uma população de segurança. 

“Tudo isso pensando na possibilidade de ter exemplares em cativeiro, caso a espécie desapareça da natureza nos próximos anos para evitar a sua extinção completa. Esses mecanismos de planejamento e políticas públicas são fundamentais para deflagrar ações efetivas. Tudo isso possibilitou a captura de exemplares de urus-do-nordeste para se reproduzirem em cativeiro até o ponto que tenhamos número suficiente para que seus descendentes possam voltar a habitar seus locais de origem”, destaca Fábio Nunes, pesquisador da Aquasis.

2 Comentários
  1. É realmente triste e muito preocupante a situação dessa espécime. Espero que continuem divulgando a situação mês a mês do uru do nordeste. Eu gostaria muito de receber informações e acompanharei progresso dessa tentativa de crescimento numérico das aves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pular para o conteúdo